Total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Meu tratamento Personnalité



A minha vida é muito estranha. Volta e meia, recebo ligações como essa:

“Alô, seu João Felipe!”

Respiro fundo. Apesar da voz jovial, educada e do tom de locutor de programas noturnos para insones solitários, ele errou feio: detesto que me tratem por “seu” e por “João”. O primeiro, porque acho um desaforo; sou velho, sei que sou velho, ninguém precisa me jogar isso na cara o tempo todo. O segundo, porque até hoje não conheço esse João. Tentaram grudar em mim esse outro sujeito, mas só dou conta (mal e porcamente) de um: do Felipe. 

Bem, depois de o fulano se identificar, perguntei:

“Gerente da minha conta? O que eu fiz dessa vez?”

“Não, nada, senhor...”

“Se continuar me chamando de senhor, vou bater o telefone na sua cara!”

“Oh, desculpe! É que tenho uma boa notícia...”

“Boa pra quem? Só pode ser pro banco, não?”

“Não, pro senh...”


“Putz! Já avisei que vou desligar...”


“Pra VOCÊ.... Desculpe! É que, analisando o seu histórico, o Itaú resolveu lhe contemplar com um cartão Personnalité.”


“E o que é isso?”


“Nunca ouviu falar?”


“Já, mas quero saber o que eu ganho com isso?”


“Status, prestígio...”


“Ah, tá! E o que eu ganho com isso?”


O rapaz, já achando que tinha ligado para um manicômio, continuou sendo gentil. Depois de dar uma risadinha nervosa, explicou:


“Nas suas relações sociais, em todas as situações, ter um cartão desses faz muita diferença.”

“Ah, entendi... Mas não estou interessado, não. Obrigado.”

“Veja, não terá custo algum...”

“Banco não cobrando nada? Conta outra, vai...”

“O senhor é um ótimo cliente, seu histórico...”

“Você deve estar enganado. Essa ficha é de outro cliente. A minha só tem traço de menos antes dos números.”

O moço era duro na queda, não dava o braço a torcer. Devia ser gerente novo querendo atingir sua meta diária de enganar trouxas.

“Mas, Felipe... Acertei agora, né?”

“Hum, hum...”

“Sei que já lhe ligaram antes para lhe oferecer o MasterCard Black, e você não aceitou... Só que agora é o Platinum.”

Só rindo, viu! Esses caras novatos devem estar querendo tirar uma com a cara de clientes ferrados que nem eu. Não é possível que estejam falando sério. Só não fecho conta em banco para ter uma segunda carteira, sempre com algum dentro, ainda que não seja meu... e depois esses agiotas legalizados me cobrem uma fortuna em juros. Segunda carteira, porque a primeira, a que carrego no bolso de vez em quando, é apenas para os documentos. Já estou tão acostumado com ela sem grana, que, se me deparar com uma nota graúda ali dentro, sempre tomo um susto, achando que é de outra pessoa e que peguei aquilo por engano em algum lugar.

Enfim, voltando ao telefonema, era hora de encerrar aquele papo furado... 

“Amigo, não leve a mal, mas não estou interessado. Você ligou para o cliente errado.”

“Pense melhor. Ter status e prestígio, isso abre muitas portas hoje em dia!”

“Pois é... Mas esse seu cartão não vai fazer a menor diferença nos lugares que eu costumo frequentar.”

“Não? Como assim?”, agora o mocinho levou um baita susto.

“Não, amigo. Os muquifos e puteiros que eu frequento costumam pedir dinheiro vivo na porta. Se não pagar adiantado, ninguém entra. E se der uma de engraçadinho depois de entrar, não sai mais. Respirando, não.”

Foi o tiro de misericórdia nele. Deu tchau, prometendo que eu não seria mais importunado. Mentira, claro. É só entrar outro gerente, que receberei uma nova ligação. Devo ter virado uma espécie de trote “oficial” para os novatos da minha agência. Mas admito que senti um pouquinho de remorso. Ora, e eu ia fazer o quê, mentir? O.k., tentarei ser mais cordial com o próximo... Não prometo, mas vou fazer uma forcinha para dar a ele o meu tratamento Personnalité.




sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Malandragem em tempos de crise






Pois é, a coisa anda feia pra todos. Cada um se vira do jeito que pode. 

Como sabem, sou pedestre convicto. Detesto dirigir. Gosto de ver tudo de perto nas ruas, no ônibus, no metrô... E ontem, indo para a minha querida dentista, no meio do caminho, na fachada de uma casa de garotas de programa, li e fiquei maravilhado com o seguinte cartaz: 

“Promoção especial: onde come um, comem dois!”  

Em outra ocasião, no mesmo lugar, um rapaz da portaria, alto e musculoso, já havia me segurado levemente pelo braço para sussurrar no meu ouvido:

“Patrãozinho, pode entrar! Hoje as minas estão pegando fogo!”


Achando graça daquilo, rebati:


“Obrigado, mas o que elas fazem aí, aprenderam comigo... e acho que ainda consigo fazer melhor que elas!”


Ele arregalou os olhos, surpreso. Depois piscou maliciosamente pra mim e disse:


“Opa! Agora fiquei curioso! Entra aqui, rapaz, vamos trocar uma ideia. A cerveja é por sua conta, mas o prazer eu garanto... Aqui, o cliente manda... e a gente obedece!”


Acenei para ele e saí dali rindo alto. Essas “urbanidades” me estimulam mais que qualquer livro. É disso que vou colhendo material para a minha ficção. O resto (o convencional, a rotina do dia a dia...) me dá tédio. Arte não tem cabresto, surge dessa “desconstrução” do óbvio. Alguns nascem com esse olhar inquieto, outros não.



sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Voltando no tempo



Quando comento que essa “multiplicação” de barbudos nas ruas pode ser um sinal (ainda que de modo inconsciente) de que a sociedade volta ao século XVIII / XIX, dizem que estou sendo radical. 
O.k.! Cada um pense como quiser/puder.
No entanto, o que mais estranho é o silêncio das mulheres em relação a esse avanço machista com a retomada do lema “bela, recatada e do lar”. Sim, a mulher pode ser tudo isso, mas por vontade própria, não como condição para se tornar digna e/ou uma pessoa “de respeito”. 
E agora, pós-acidente fatal com o ministro Teori Zavascki, começa a ganhar força a indicação desse outro senhor, que, alegando estar disposto a defender as mulheres das “injustiças do mercado de trabalho”, cita um documento papal de 1891???? (Ver mais em: https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2017/01/27/candidato-ao-stf-diz-que-mulher-deve-combinar-trabalho-com-deveres-domesticos.htm#comentarios
Repito: 1891!!!!!!!
Ora, conheço muitas mulheres provedoras, que sustentam filhos e netos desde que foram abandonadas pelos seus “companheiros” (desculpe... muito homem nem pode ser chamado de “companheiro”, apenas de “reprodutor”). Outras também tiveram que sustentar o “marido” (por vários motivos). Na verdade, o Brasil é um patriarcado oficial, mas não real. 
E hoje, vemos que muitos coroas “poderosos”, depois de “descartarem” as primeiras que provavelmente os ajudaram a prosperar, voltam a buscar mulheres bem mais novas que eles: Trump, Macri, Temer, exemplos não faltam em todas as áreas. Isso é preocupante (para não dizer “patético”)! Gostaria muito de ouvir o que as primeiras esposas têm a dizer desses senhores. Devem ter muitas histórias para nos contar... (Obs.: não quero parecer moralista, nem preconceituoso. Gosto não se discute. Acontece que, em determinadas situações, esse tipo de união parece óbvia demais para ser, de fato, uma relação de amor verdadeiro.)
Será que agora esses senhores querem companheiras ou apenas ostentar poder e virilidade (ou garantir uma “cuidadora” em tempo integral)? Vale lembrar que essa “prática” também nos remonta à época dos elegantes barbudos de chapéu e cartola, quando era comum o casamento entre homens (bem) maduros e adolescentes (algumas ainda na puberdade). Muitas, infelizmente, morreram no parto.
Pensem nisso com carinho, amig@s!


terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Breve história da criação



“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (João 1:1). E Deus criou o homem, que criou a Verba para comprar e vender tudo (inclusive... Deus). Fim.


terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Mais um pouco sobre aneurismas cerebrais

Em agosto de 2013, com vertigem (parecida com labirintite), busquei um otorrinolaringologista, que, muito atento e competente, pediu que eu fosse rápido a um pronto socorro, levando carta de encaminhamento à equipe de neurologia que estivesse de plantão. Lá, em uma tomografia do meu crânio, foi encontrado um aneurisma bem graúdo: 1,3 cm. Fui internado na mesma hora. 

Dia seguinte, na ressonância, foram detectados mais dois (menores, mas não tão pequenos: 7 e 5 mm). 


Para não restar dúvida, em outro exame, angiografia cerebral, os três foram confirmados e encontrado um quarto aneurisma, de 2 mm. 


Ao todo, foram 30 dias de internação para clipar 4 aneurismas, sendo que o maior precisou de dois clipes. 


Sim, é uma cirurgia complexa, invasiva e de alto risco, mas que reduz bastante as chances de morte e sequelas (comparando aqui com as chances do paciente que sofreu um AVC). Como também é muito cara, planos costumam criar algumas dificuldades para cirurgias como a minha: preventiva. Eu tinha quatro bombas dentro da cabeça, que poderiam ser detonadas a qualquer momento. Porém, se tivesse ocorrido o AVC, a minha história seria completamente diferente. 

Por isso, sempre recomendo incluir no checkup uma visita ao neurologista (principalmente, para quem já teve casos de AVC na família). Também é
importante conhecer e ficar atento aos sinais (mostrados de forma simples neste vídeo).

Aneurisma é uma doença grave e silenciosa. Quando "romper ou comprimir alguma estrutura cerebral para que haja algum deficit neurológico",* e se o socorro não for rápido, são bem altos os riscos de o paciente ir a óbito ou ter sequelas graves.



* Fonte: https://www.neurocirurgia.com/content/vida-apos-aneurisma 





segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

+ URBANIDADES (natalinas)




Aconteceu no shopping Jardim Sul, nesse sábado de Natal... Não que eu fique ouvindo a conversa alheia, essas pérolas do cotidiano é que me perseguem... Bem, eu tomava um café, tranquilamente, observando aquele tedioso desfile de sacolas pra lá e pra cá, quando duas coroas grã-finas sentaram-se bem perto de mim. Ambas com muito botox na cara e roupas de ginástica coladas ao corpo (vários números a menos). Ficaram em silêncio por um tempo. Então uma mocinha veio e serviu o que elas haviam pedido... 

De repente, a mais marombada resolve alfinetar a amiga:


— Credo, mulher! Esse doce aí é de puro açúcar! Você precisa fazer regime!


A mais rechonchuda, dando uma garfada bem generosa na torta de limão, rebate:


— Não ligo mais pro meu peso. Estou tranquila. Com o que juntei, trabalhando de domingo a domingo na minha loja, posso comprar o aplauso que quiser e todo tipo de elogio. Michê é mais barato e dá menos incômodo. Se eu soubesse disso antes, nem tinha me casado com aquele traste lá de casa. Mas não pode ser amante fixo, tem que variar o cardápio. Transa fixa já é traição, né? Coisa de gente sem caráter ou preguiçosa. E o que não falta é garotão musculoso se oferecendo em academia, de todos os tipos, tamanhos e preços. Disponíveis pra homem ou pra mulher. Tanto faz o que tá escondido na braguilha, o que importa pra eles é o que os clientes têm no bolso ou na bolsa. Olha aquele lá, ó, que piscou rápido pra mim! Lindo, não? Já peguei duas vezes...


— Nossa! Jura? 


— Tá ali, com a noivinha, mas aquele tênis caro que ele tá usando, deve ter comprado com o meu dinheiro. 


— Vai, me dá um pedaço de torta! Depois dessa, que se foda a balança! Também tenho as minhas economias, vou torrar tudo com bofe!


Comecei a rir. Vendo que eu tinha achado graça daquilo, elas riram de volta para mim. 


..................


Obs.: Não, não era flerte. Faz séculos que não acontece isso comigo; já sou peça fora de catálogo ou, no máximo, de colecionador bem excêntrico. Hoje, quando alguém (mulher ou homem) olha demais para mim na rua, meu "senso de ridículo" já detecta de imediato: a criatura, se não for psicopata ou míope, deve estar querendo pagar alguma promessa bem complicada. Não me iludo, nem me arrisco.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Igreja do "Divino" Foda-se


(Obs.: Diferente de outros autores, não tenho gravador digital, nem carrego bloco de anotações, mas meus ouvidos são bons e minha memória é invejável.)
........................
Quase véspera de Natal. Duas amigas dentro de um ônibus lotado, voltando de mais um dia de trabalho duro na casa dos bacanas...
— Não sou louca de não ouvir o que o meu pastor disse sobre enfeitar árvores, comprar presentes, comer que nem condenado e depois, na virada do ano, pular sete ondas para encosto — esbraveja a mais nova, horrorizada. E completa: — Isso é coisa do demônio, pecado, idolatria!
— $%@#&+&@!!!! $%@#&+&@!!!! $%@#&+&@!!!!
— Que é isso, mulher?
— Foda-se! Foda-se! Foda-se!
— E que língua doida é essa?
— Dos anjos! Um deles soprou agora no meu ouvido! Disse que preciso montar outra igreja, a do Divino Foda-se! Fico mais rica que esse teu pastor... e mando este paisinho safado à merda!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Um ser bem mais evoluído que eu





Já estou quase com os dois pés nos meus 50 anos, tive incontáveis separações (de pessoas, lugares, coisas...), conheci "longas distâncias" (de pessoas, lugares, coisas...), enfrentei grandes decepções (com pessoas, lugares, coisas...) e pude ver de perto a minha morte (cara a cara, mesmo) em duas ou três situações bem críticas. Mas me recuperei e segui andando firme. No entanto, somente agora fui capaz de sentir e entender o que é a dor dessa tal "saudade", única palavra que chega perto da "tradução" do sofrimento intenso e constante que vai triturando a gente de dentro para fora. Não dá trégua, nem dará. A gente vai ter é que encontrar uma forma de conviver melhor com ele. 
Oh, bichinho danado para me amansar depois de velho, viu! No riso, no choro e até na raiva... ele sempre conseguia (e ainda vai conseguir) me domar. 
Valeu por mais essa, Cacá!





Obs.: Vê se agora me dá sossego, meu anjo. Já fiz as lições de casa por hoje. Amanhã retomaremos, o.k.? Prometo.



sábado, 19 de novembro de 2016

Loiras do Morumbi



Trecho de uma nova peça (pois é, retomei isso... escrever diálogos... que foi o começo de tudo):


CENA 1

Duas coroas esperam sentadas (qualquer lugar serve; depois de certa idade, tudo é espera para elas).

Judith - (sem muita vontade de falar, porém incomodada com o silêncio da outra) Então, né...?

Verônica - É...

Judith - E a senhora, como anda?

Verônica - Nem muito lá, nem muito cá.

Judith - Tudo na mesma?

Verônica - Não. Ultimamente, piorando.

Judith - (falsamente solidária) Nossa!

Verônica - E a senhora, tem feito o quê?

Judith - O de sempre.

Verônica - Michê! Jesus, ainda?
Judith - Cada vez menos, mas não posso me queixar.

Verônica - Uau! Uma teimosa entre nós!

Judith - Não, uma sobrevivente. Teimosa é a senhora, que ainda consegue estar viva com essa cara amassada, esse corpo tombado e esse veneno todo borbulhando aí dentro. Devia ser estudada pelo Instituto Butantã... ou pela Nasa.

Verônica - E eu sinto é pena...

Judith - De mim?

Verônica - Não, dos seus clientes, meu bem.

Chega a terceira, tinha saído para comprar churros, mas voltou com meio saco de pipoca doce.

Judith - (para Gil) E os churros, criatura?

Gil - Comprei.

Verônica - Cadê?

Gil - Sou compulsiva, comi.

Judith - Os três?

Gil - (para Judith) Na verdade, com o dinheiro que a senhora me deu, pude comprar cinco, para ver se trazia dois.

Judith - E comeu os cinco?

Gil - Seis. Com o troco, comprei mais um e esta pipoca. Sobrou um pouco, querem? Odeio pipoca! Comprei por comprar, também sou compulsiva em gastar grana dos outros.

Verônica - (para Judith) Tem jeito, não. Avisei pra não confiar nessa draga.

Gil - Credo! Quanta intolerância!

Judith - Não, é raiva mesmo!

Gil - Inveja, meu bem! Posso devorar um boi, mas não sou como vocês, que engordam até com o vento.

Judith - Pra emagrecer, a gente fecha a boca. Mas pra você ficar bonita, querida, nem com reza forte. Nascendo de novo, talvez.

(... e o texto segue...)


© Felipe Greco
(diretos reservados)




terça-feira, 8 de novembro de 2016

Gaiolas e voos




Andorinha no céu é sinal de verão, dizem. Eu nunca tinha visto uma de perto. Hoje cedo, apareceu outra (ou a mesma de ontem, não sei). Mais corajosa que a anterior, pousou na janela do meu escritório, onde escrevo diariamente. Olhava para mim, curiosa. Talvez quisesse saber: "Com um céu imenso e ensolarado lá fora, por que eu não voava logo dali?"
Pois é... Cada um faz o voo que pode e no espaço que tem, não é mesmo?
Depois de ajeitar as penas com o bico, ela se cansou daquela visita, bateu asas e partiu. Permaneci na minha gaiola, voando em círculos.


quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Presente de mãe



Flor de “vó”, é o que dizem. Em casa de “vó” sempre tem uma dessas. Ou tinha. Na casa da minha avó, sim, tinha uma... e bem grande. No Natal, recebia luzes e enfeites... Na verdade, era na casa dos meus pais, que depois passou a ser da minha avó paterna, de quem peguei emprestado o sobrenome Greco: Isabel Greco Tavares. 

No Sul, chamam essa árvore de “primavera”. Mas é “manacá-de-cheiro”. E as flores exalam um perfume inconfundível. 


Aqui por perto, no bairro em que moro, felizmente, há uma dessas... Já está carregada de flores e aromas.


De vez em quando, passo por ali. Não tem como não voltar no tempo, mas não com saudosismo. Não sou saudosista. Boas lembranças, apenas isso.


Atualmente, na nova casa dos meus pais, tem outra dessas. Quando estive lá, minha mãe quis que eu trouxesse uma muda. Preparou tudo. Do jeito dela, claro, só raiz e caule (diz que é assim que a planta aguenta viagens longas)... Na última hora, desisti... Uruguaiana fica "ao lado" da Argentina, mas também do Uruguai. 


"Mãe", eu disse, "e se me pegarem no aeroporto, pensando que é muda de maconha? Vou dizer o quê: que é maconha da mãe?" 


Ela ficou me olhando... Daí, rebateu: 


"Deixa de ser medroso! Te dou umas folhinhas, também. Se te pegarem, mostra pra eles e diz que fui eu que botei a muda na tua mala. Isso aí é bobagem que inventam pra ganhar dinheiro sem pagar imposto. Cachaça, vendem em qualquer boteco e se pode levar na mala; maconha, não?"


"Tá doida, mãe?"


"Ué, tu não é artista? Se tem medo de escândalo, vai fazer outra coisa, ora!"


Minha mãe sempre foi bastante pragmática. Mas... eu, hein? Preferi ser medroso, deixei lá com ela a muda.


Tem cada mãe, viu! A minha, acho que daria um livro. Ou vários.



domingo, 11 de setembro de 2016

Novos velhos tempos




Em meados dos anos 1980, com 17 para 18 anos (naquele tempo a maioridade era aos 21, precisei ser emancipado pelos meus pais para poder estudar em São Paulo) quando fui divulgador na Editora Vozes, ajudei a trabalhar esta obra junto à imprensa: Brasil: nunca mais, com prefácio de Dom Paulo Evaristo Arns. 

A famigerada ditadura militar caminhava para o fim. 

E veio o fim (?). 


Comemoramos!


Havia esperança de voltarmos de fato à democracia. 


"Eleições diretas já", reivindicávamos nas ruas. 


E elas vieram (não completas, mas vieram). 


Então recebemos o primeiro revés da história: o presidente eleito morreu (?), Tancredo neves não chegou a assumir. No lugar dele, recebeu a faixa José Sarney (vice, era do PMDB). 


Na década seguinte, novas eleições (bastante manipuladas pelas mídias) colocaram (!) Fernando Collor no poder. O barco desse novo governo logo fez água (mais por arrogância e incapacidade de gerenciamento político do presidente que corrupção; hoje sabemos disso). Outro do PMDB ficou no lugar dele: Itamar Franco. 


Então veio Fernando Henrique, em quem, confesso, depositei esperanças; por ele ser intelectual e acadêmico reconhecido, acreditei que iria, finalmente, investir pesado em educação. Que nada, tudo continuou como estava nessa área... ou até piorou. 


Depois vieram Lula e Dilma... Até que, por uma manobra que a história (se bem contada) deverá tirar a limpo, volta a assumir o poder alguém do partido soturno e sobrevivente (?) da ditadura... Ou seja: Michel Temer, do Partido do Movimento Democrático (?) Brasileiro (PMDB, antigo MDB... quando só havia Arena, de direita, e MDB, supostamente de esquerda). 


Nas manchetes, agora parte do povo volta às ruas pedindo novas eleições. Também políticos conservadores que defendem (?) tradição, família e propriedade (TFP ressurgida das supostas cinzas) acabam envolvidos exatamente no que tanto alegam estar dispostos a combater (?): a corrupção. Nas passeatas, a polícia militar entra em confronto com os manifestantes. Bombas são jogadas. Prisões são feitas de modo aleatório (?). Agentes (?) são infiltrados. Arruaceiros, talvez idem, para justificar (?) tais represálias violentas aos movimentos. 


Emfim, vendo tudo isso, a pergunta que fica é: houve mesmo uma volta à democracia?
A(s) ditadura(s) acabou(acabaram)? 


Hoje, eu acrescentaria ao título deste importante livro sobre torturas e torturadores um "talvez". Ficaria assim: Brasil: (talvez) nunca mais.


Algo para pensarmos com muito cuidado e carinho, não?



domingo, 4 de setembro de 2016

Apenas uma opinião...



Fui ver Aquarius. O filme é quase um tributo à atriz Sônia Braga (que está mais uma vez totalmente entregue em cena e se "atreve" a desconstruir a própria imagem de "símbolo sexual", aparecendo sem maquiagem e com um dos seios mutilado pelo câncer). Ela, como eu já disse em outra postagem, "é" da lente de cinema, sem dúvida. Não filma, faz amor com a câmera e anda solta pelos cenários... com a desenvoltura de alguém que mostra a casa para os amigos. Algo que não se aprende: a pessoa tem ou não tem. Pode até ser excelente artista de teatro e/ou televisão, mas se não tem essa intimidade com a telona, dançará. 
No entanto, na minha opinião, a história não se segura. Há ótimos diálogos soltos em uma trama que não se sustenta dramaticamente. 
Assuntos (bons temas, sim, como a solidão na velhice, falta de comunicação com os filhos, a rejeição por causa das profundas cicatrizes deixadas pelo câncer de mama feminino, entre outras questões importantes e bem atuais) são jogados à plateia. Porém o "acaso" (como num passe de mágica) surge para tentar arrematar todo aquele interessante chuleio. Uma bela colcha de retalhos, mas apenas alinhavada. 
Se concorrer ao tão cobiçado Oscar (cujo motivo, sinceramente, desconheço... ou não consigo entender) vejo que teria um pró e dois contras: como o prêmio possui (sempre foi assim) um forte viés político, pode ser que consiga algum destaque por lá; mas por ter cenas que estadunidense em geral não tolera (hipocritamente, claro... como homens com pênis eretos, mulher liberada que contrata um amante profissional) e não segue um padrão acadêmico de cinema (bastante apreciado em Hollywood), talvez nem seja selecionado para a disputa. 
De qualquer maneira, é um filme que deve ser visto, porque apresenta um impactante retrato do (difícil) empoderamento feminino. Em tempos de misoginia disfarçada do que chamo de "carinhos cruéis", mulheres em várias partes do planeta (depois da chamada revolução sexual, dos avanços do feminismo etc.) voltam a ser relegadas ao papel de "belas, recatadas e do lar". E o que é pior: com o "aval" das próprias mulheres! Portanto, fica a dica. Sim, porque talvez o diretor tenha mantido de propósito esse "alinhavado"... para que cada um na plateia termine a costura do jeito que puder. Ou, no mínimo, saia dali bastante tocado pelo filme. Repito: quem puder fazer esse dever de casa, óbvio. Os mais, digamos, "apressadinhos" simplesmente dirão: "Nossa, que filme chato e como essa mulher está acabada!"
  

sábado, 6 de agosto de 2016

Mundo sem arte

Fé e hipocrisia... Esse pregador (E. Dewey Smith, da House of Hope em Atlanta, Geórgia) dá um chute em muitos "rezadores" (de todo tipo) que se ajoelham para Deus, mas logo saem tacando pedra no próximo (em especial, nos homossexuais). 
O mesmo vale para outros hipócritas, que vivem atacando artistas, chamando-os de vagabundos, perdulários, viciados, degenerados, inúteis etc. 
Ontem, na abertura dos Jogos Olímpicos de 2016, em um espetáculo com poucos recursos técnicos e muita criatividade/garra, o país sentiu um bom alívio, não? E, vendo aquilo, pensei muito nas perseguições atuais que a classe artística vem sofrendo no Brasil. Ora, se temos ainda algum "crédito" além fronteiras, devemos muito a uma infinidade de artistas talentosos/desbravadores, não a diplomatas, políticos, burocratas, empresários etc.
Pois bem, tiremos do mundo os tais "vagabundos, perdulários, degenerados, inúteis etc." e, como diz esse corajoso pregador, "vamos ver quantas canções poderemos cantar no próximo domingo". 
Apontemos, então, um período da nossa história (das cavernas até hoje) sem a arte... Sem crenças, religiões e afins, muitos povos sobreviveram e ainda sobrevivem muito-bem-obrigado em algumas partes do planeta. Sem qualquer expressão artística, desconheço.
Um bom domingo a todos!




sexta-feira, 22 de julho de 2016

Pós-modernidade?



Andei sumido, porque não tinha muito o que dizer. Mas vamos lá...

Quando jovem, antes de visitar e/ou me hospedar numa cidade, eu costumava dar uma conferida na altura da torre das igrejas. Se fossem mais altas que os demais prédios, eu já tinha uma noção do que iria encontrar. Hoje, também dou uma investigada na quantidade de academias de musculação. Sim, porque, décadas atrás, eu ainda tentava descobrir quantas livrarias existiam, que tipo de livro vendiam e o volume de clientes nas lojas. Grandes ou pequenas, atualmente já quase não existem livrarias com livreiros de verdade, transformaram-se em "supermercados": muita gente dentro, mas poucos exemplares nas mãos dos frequentadores. Caixas praticamente sem ninguém para pagar por livros (outros produtos, sim). Há quem confunda livraria com biblioteca. Ou nem isso; o sujeito vai lá, lê de modo superficial, estraga o exemplar... e se manda dali sem adquirir obra alguma. 

As torres das igrejas, é verdade, já não são tão altas, mas se multiplicaram e se desdobraram em outras de variadas ladainhas sobre o mesmo Cristo & afins. Agora, igrejas e academias de musculação me ajudam a sondar os terrenos em que vou pisar. É tempo de fé e corpo em dia, cabeça prontinha para aceitar cabrestos (físicos e espirituais).
Essa é a tal pós-modernidade tão esperada? 
Parece que não. 
Infelizmente, andamos para trás. Perdemos alguma disputa/etapa no jogo da vida e fomos forçados a voltar muitas casas no tabuleiro da evolução.  



segunda-feira, 4 de julho de 2016



"Agora, mais que antes, Júlia acorda decidida e já vai direto para a sacada. Braços bem abertos. Mãos nervosas. Unhas negras querendo rasgar o ar. Se desse tempo, escreveria com o próprio sangue nas paredes: sou um pássaro de fogo que, no desesperado bater de asas, roga aos céus urgência para o seu voo. Respira fundo. Faz primeiro um sinal da cruz mecânico, apressado, mais pelos anos de condicionamento no colégio de freiras do que por fé. Depois, de olhos fechados, prepara o salto sem medo. Dali até a calçada, quase vinte andares. Mas a queda será macia, imagina, e tudo de ruim ficará para trás. Tombo rápido, morte que me chama sem dor. 

Metade do corpo saindo do parapeito... e a faxineira começa a girar a maçaneta da porta da suíte. 

Merda, Júlia resmunga, esqueci de trancar de novo! Pula de volta e disfarça, como tem feito ultimamente, ajeitando-se no chão para simular uma dessas complicadas posições de ioga. Não passa de hoje, promete a si mesma, acerto as contas e mando embora esse diacho de mulher enxerida!"

(© F. G. - trecho de novo conto sendo parido)